DOIS ANOS


Você está em - Home - Institucional - DOIS ANOS

Madre Celeste Crostarosa completa dois anos de beatificação

  

No dia 18 de junho de 2018 celebramos os dois anos de beatificação da Beata Maria Celeste Crostarosa, realizada em Foggia. A religiosa fundou a Ordem do Santíssimo Redentor e teve importante participação na caminhada inicial da Congregação do Santíssimo Redentor (Redentoristas), por sua amizade com Santo Afonso de Ligório.

Faleceu em 14 de setembro de 1775. O processo de beatificação da Irmã Maria Celeste Crostarosa foi iniciado em 1987.

 

CLIQUE AQUI E OUÇA UMA CANÇÃO PARA A BEATA

 

QUEM É CELESTE CROSTAROSA?

Madre Maria Celeste foi amiga de dois grandes santos venerados no mundo inteiro: Afonso Maria de Ligório, doutor da Igreja e fundador da Congregação dos Missionários Redentoristas, e do irmão redentorista, patrono das mães, Geraldo Majela. Fundadora de uma Ordem essencialmente contemplativa, as Irmãs Redentoristas, colaborou para a fundação da Congregação dos Missionários Redentoristas, juntamente com Santo Afonso.

Maria Celeste é uma pérola escondida e descobrir um tesouro nem sempre é fácil. Mesmo quando se sabe onde ele está. É preciso apalpar, raspar sujeiras, tirar até o pó, para que se possa aquilatar toda a intensidade de seu brilho. É o que o padre Jean-Marie Ségalen faz com sabedoria de mestre. Em poucas pinceladas, consegue fazer brilhar a nossos olhos um retrato simplesmente belo dessa monja lá do século das luzes, que muita "luz" tem para nosso tempo.

Essa mística do século XVIII trabalhou com muita coragem entre os mais necessitados. Foi uma mulher forte, perseverante, enérgica, decidida. Soube dizer sempre "sim" a Deus. E quando necessário soube dizer "não" aos homens, inclusive aos homens da Igreja. Sua mensagem, com efeito, e sobretudo sua mensagem eucarística, não é reservada somente aos contemplativos: é dirigida a todos os cristãos.

SUA ORIGEM E VIDA

Giulia nasceu em Nápoles, terra de uma beleza extraordinária e contrastes trágicos. Sua gente apaixonada como vulcão; alegre como o sol e sonhadora como o mar. O Sol está presente em sua espiritualidade como imagem da vida do Cristo em quem crê e nele vive, e lhe faz dizer: “... outra vez lhe foi dado a entender como Jesus Cristo é o nosso sol divino na luz da eterna glória no céu, e como ele é, semelhantemente, o Sol interior da alma justa”.

E ainda: “No contemplar o céu e sua amplidão, era-lhe comunicado interiormente pelo Senhor, o reconhecimento da imensidão de Deus sem limites no seu ser incriado e eterno”. Do sol que surge pela manhã, passa ao Cristo ressuscitado: “Jesus morre para viver ressuscitado nas suas criaturas por semelhança e vida da verdadeira vida”.

Maria Celeste nasce aos 31 de outubro de 1696. Era a décima entre doze filhos de uma família cristã e nobre, de alta magistratura. Eram cinco irmãos e sete irmãs. Seu pai foi o Dr. Giuseppe Crostarosa; laureado em ambos os direitos e revestidos de alto grau de magistratura na capital; sua mãe foi Paola Batista, da nobre família Caldari. Aos 21 anos de idade, Giulia, juntamente com sua irmã mais velha, Úrsula, entra no Carmelo de Marigliano, em abril/maio de 1718. Dois anos mais tarde sua irmã mais jovem, Giovana, faz o mesmo. No dia 21 de novembro de 1718, festa da Apresentação de Maria mao Templo, as duas primeiras, recebem o hábito religioso; Giulia passa a chamar-se Ir. Maria Celeste do Santo Deserto e no ano seguinte faz Profissão Religiosa.

Deus reservava para Giulia, um caminho belo, sendo que Cristo ia conduzindo-a para Deus, do qual o meio é dentro de si. Neste processo, descobre o mistério de Cristo, vivo em sua alma. Depois de que recebeu o hábito, escreve uma regra de pureza para si mesma, dada pelo Espírito Santo. Deus introduzia na vida espiritual, confiava-lhe suas aspirações divinas e a introduzia-a na intimidade com Ele. Assim, certo dia, depois da Santa Comunhão, penetrada pelo Olhar Divino, teve uma grande luz interior e o Senhor lhe disse: “Quero fazer-te mãe de muitas almas que desejo salvar por teu intermédio”.

O Carmelo em que vivia, no entanto, ia desaparecer: sua fundadora – a duquesa de Marigliano – Isabel Mastrlilli, tomara tal autoridade sobre o Mosteiro que reduziu as pobres Carmelitas a incríveis tribulações. Foi tal a situação que o Bispo aconselhou a fechar o Mosteiro e que as religiosas procurassem ouro lugar para viver.

As três irmãs de Crostarosa, a conselho do Pe. Thomaz Falcócia, conhecia as carmelitas, como pregador de retiro e diretor espiritual do Mosteiro Scala, entram neste mosteiro; quinze dias depois recebem o hábito de postulantes. Giulia recebe o nome de Ir. Maria Celeste

Em 1723, sendo extinto o Carmelo de Marigliano, irmã Celeste é conduzida a Scala para aí realizar a missão que Deus lhe destinara, o nascimento da Ordem das Monjas Redentoristas e da Congregação dos Padres Redentoristas. A semente que haverá de fecundar a Obra serão as humilhações e sofrimentos, com o sangue de seu coração...

Em 25 de abril de 1725, Madre Maria Celeste, no silêncio da oração percebe como experiência forte de fé, que Deus deseja uma nova família religiosa na Igreja, que faça presente no meio da humanidade a expressão do Amor que Ele tem por seus filhos. Compreendeu que um novo Instituto seria fundado por seu intermédio, e que as Regras e leis que nele se devia observar, seriam uma imitação de Jesus. Ele devia ser a Pedra Fundamental; os conselhos evangélicos de Sua Divina Doutrina, seriam o cimento; o coração dela devia ser a terra em que se elevaria este edifício; e o Divino Pai, seria o obreiro. 

História/Texto: Monjas Redentoristas